HomeArtigosGeração Y: veja como pensam os profissionais com idade entre 20 e 30 anos
 ARTIGOS
Geração Y: veja como pensam os profissionais com idade entre 20 e 30 anos

"É uma nova geração, com muito a agregar, mas com a questão problemática do compromisso". Assim define a geração Y a psicóloga clínica do Grupo Nelson Paschoalotto, Mariana Mondelli.

Ela explica que a geração Y é aquela composta pelos filhos dos pais ausentes, que passaram a vida se dedicando em demasia ao trabalho, e das mães que se emanciparam e entraram no mercado de trabalho. Para compensar a falta que faziam, esses pais acabaram por mimá-los.

"Esses jovens profissionais têm certo resquício do mimo, mas, além disso, sempre tiveram acesso fácil às informações", diz Mariana, ao lembrar que, justamente por conta disso, eles vivem em busca de algo melhor e não hesitam em brigar pelo que acreditam.

Como eles se comportam

Como explicou a psicóloga, a questão problemática é a falta de compromisso. "Os profissionais da geração Y estão muito mais compromissados com seu próprio crescimento do que com o da empresa. Uma de suas principais características é o individualismo", afirma.

Graças ao excesso de informações a que estão expostos, principalmente por conta da evolução da internet, eles têm mais argumentos para brigar pelo que desejam. "Então, se o jovem passa um ano na mesma empresa, mas não sente que está atingindo seus objetivos nem que seus esforços estão sendo reconhecidos, não pensa duas vezes e muda para a concorrência", garante a especialista.

"Antigamente, a relação empresa/funcionário era marcada pela submissão deste último. Mas, com a geração Y, são eles que ditam as regras. Eles dão sugestões, têm ideias inusitadas, inovam. Logo, têm muito a agregar. O lado negativo é que nada os satisfaz e sua busca pela ascensão não tem limites. Minha recomendação a esses jovens é que aprendam a ter paciência".

Mariana lembra: "As pessoas têm que brigar pelo que querem, desde que saibam exatamente o que querem. Tem muito profissional confuso por aí. É importante, por isso, investir no autoconhecimento. Além disso, há momentos em que é necessário respeitar a cultura da empresa. Nem tudo é do jeito que a gente quer. Essa ansiedade pode comprometer a carreira do jovem".

O lado das empresas

Para as empresas, será necessário se adaptar. Os gestores precisam tornar a ascensão dos profissionais mais rápida e entender que as pessoas querem reconhecimento. Além disso, como se trata de um geração tecnológica, é importante trabalhar a governança de TI (Tecnologia da Informação).

"Há dificuldade de fazer com que o colaborador se desconecte no período de trabalho. O que as empresas têm que fazer agora é trabalhar a inovação e a renovação dos serviços, implementando políticas de segurança que garantam a integridade dos dados e informações, que é hoje um dos principais ativos das empresas. Ao mesmo tempo, no entanto, não se deve impedir a criatividade, a comunicação e a integração, aspectos próprios da geração Y", explica Gláucia Lopes, CIO (Chief Information Officer, o responsável pela Tecnologia da Informação) da Planae, uma empresa do Grupo Nelson Paschoalotto.

Para enviar este artigo para um(a) amigo(a):
Clique aqui

Fonte: Administradores
Autor: 
 Data: 05/01/2010

 

 


Voltar

 
Para membros da Comunidade
Learning & Performance Brasil
> Efetuar Login
> Cadastre-se
> Saiba mais
Curta a nossa página no facebook
Siga-nos no twitter

Organização
MicroPower

Promoção
Escola Virtual

e-learning for kids

ABES

ABRH - NACIONAL

ABRH - SP

ADVB

América Economia

bilheteria.com

FNQ - Fundação Nacional da Qualidade

GCSM - Global Council of Sales Marketing

Movimento Brasil Competitivo: MBC

Microsoft

The Winners - Prime Leaders Magazine

Copyright © 2016 - MicroPower®