HomeNotíciasNotícia selecionada
 NOTÍCIAS
Pesquisa aponta o que os líderes pensam da Geração Y

Os conflitos de gerações sempre existiram e vão existir, mas o total domínio da tecnologia pelos mais jovens parecer ter aberto um abismo ainda maior entre as diferentes gerações, cada vez mais obrigadas a dividir espaços no ambiente corporativo. Para entender o que os líderes de grandes empresas, com idade entre 45 e 60 anos, pensam dos jovens que estão iniciando a sua carreira profissional, a chamada Geração Y (nascidos entre 1978 e 1994), o Ateliê de Pesquisa Organizacional realizou a pesquisa Os Líderes e a Geração Y.

“Existem muitas informações descritivas e especulativas sobre essa geração, mas poucos dados. Por isso, decidimos fazer a pesquisa”, explicou Luis Felipe Cortoni, sócio-gerente do Ateliê, durante a apresentação dos resultados do estudo na sede da ABRH-SP, na última quarta. Realizada em maio deste ano, a pesquisa ouviu onze líderes em entrevistas individuais e pessoais, com duração aproximada de uma hora. Essas entrevistas geraram um questionário, posteriormente aplicado por telefone com 100 líderes de empresas de mais de 500 funcionários.

Para efeitos do estudo, a Geração Y foi delimitada pelos nascidos entre 1984 e 1991. “Esses jovens se distinguem de outros brasileiros nascidos no mesmo período. Fazem parte da elite do país, pois têm ótima formação, nível educacional alto, falam/conhecem vários idiomas, viajam com frequência, passaram por diferentes treinos de repertório (atividades esportivas e culturais), têm ainda amplitude de interesses e grande acesso a informações”, destacou Cortoni. “Além disso, não viveram rupturas sociais e políticas, não assistiram a reivindicações significativas e não têm conflitos de dependência.”

Na visão dos líderes ouvidos na pesquisa, a Geração Y tem um repertório de características importantes para um bom futuro na empresa: muita habilidade com novas tecnologias (a principal delas, com 89% das indicações); aspiração por ganhar muito dinheiro (79%); e disposição em aprender (75%). Já as características que precisam ser mais bem trabalhadas no ambiente corporativo são: ansiedade em crescer na organização (83%); imediatismo (76%); e maior agressividade que as gerações anteriores (74%).

Quando foram convidados a se comparar aos jovens da Geração Y no seu tempo de jovens profissionais, os gestores indicaram que há uma ótica e uma postura diferentes. Para os líderes, no início da carreira, o trabalho era a identidade pessoal e era visto como um fim; já a carreira era igual a emprego, e a segurança estava relacionada ao vínculo. Pela visão dos gestores, para os jovens de hoje o trabalho não é mais o principal fator de identidade pessoal e é visto como um meio (de satisfação, reconhecimento e criatividade); a carreira significa projetos e a segurança está relacionada à realização.

Em outra parte da pesquisa, os líderes apontaram os animais que melhor representam as características desses jovens. O cachorro, visto como alegre, divertido, esperto e fiel a seus princípios, foi o mais votado (55% dos gestores).

Conclusões

Para Cortoni, entre as conclusões do estudo, é possível destacar o fato de que a presença da Geração Y na empresa vai ao encontro de alguns atributos essenciais do mundo corporativo contemporâneo, pois agrega velocidade, agilidade, multiplicidade de informações, mudança e inovação. Por outro lado, também internaliza na empresa impaciência, descartabilidade/efemeridade das relações, superficialidade e imediatismo.

Outra conclusão importante é a de que é preciso preparar melhor os gestores para lidar com os jovens na empresa. No entanto, é necessária uma preparação menos conceitual e teórica e mais centrada no dia a dia, que estimule e oriente para os limites e as diferenças entre ambos. “A pesquisa também me dá a clara convicção de que os programas de mentoring são fundamentais para garantir que as transformações proporcionadas pelos mais jovens, como inovação e agilidade, possam de fato ocorrer. Do contrário, eles podem não resistir às culturas organizacionais muito duras”, disse Cortoni.



Para enviar esta notícia para um(a) amigo(a):
Clique aqui

Fonte: ABRH SP
 Data: 14/10/2009

 

 


Voltar

 
Para membros da Comunidade
Learning & Performance Brasil
> Efetuar Login
> Cadastre-se
> Saiba mais
Curta a nossa página no facebook
Siga-nos no twitter

Organização
MicroPower

Promoção
Escola Virtual

e-learning for kids

ABES

ABRH - NACIONAL

ABRH - SP

ADVB

América Economia

bilheteria.com

FNQ - Fundação Nacional da Qualidade

GCSM - Global Council of Sales Marketing

Movimento Brasil Competitivo: MBC

Microsoft

The Winners - Prime Leaders Magazine

Copyright © 2016 - MicroPower®